Saída de Dolem causa estranheza pela importância em 2019, mas não muda contexto atual do Manaus

Saída de Dolem causa estranheza pela importância em 2019, mas não muda contexto atual do Manaus

Caiu como uma bomba, a saída do meia Diogo Dolem do Manaus, causou revolta, estranheza e muitas perguntas nos torcedores do Gavião. Como um atleta tão importante na maior campanha da história do clube, pôde ser descartado com tanta facilidade?

E o torcedor está certo em estanhar e se fazer essa pergunta, o meia em 2019 fez 28 partidas e anotou dois gols, os números são razoáveis, no entanto a importância tática do atleta é que fazia a diferença na hora da escalação dos onze iniciais. Na apoteótica campanha da série D que culminou no acesso à série C.

Diogo Dolem formava um importante tridente ofensivo que jogava atrás do atacante Mateus Oliveira, formada por Hamilton centralizado, Rossini caindo pelo lado direito e Dolem pelo lado esquerdo, essa formação foi importante para consolidar um esquema de jogo que o Manaus se acostumou a fazer, o chamado “perde pressiona”, com muita velocidade e agilidade Dolem desenvolvia um papel tático importante na equipe do Manaus, além de ajudar na recomposição defensiva e auxiliar o lateral Igor sempre dobrando a marcação no adversário.

Em 2020 o Manaus se reforçou, trouxe para a meia cancha Janeudo e Gabriel Davis, que logo no inicio do campeonato abriam um leque de opções e de variações de jogo, que o treinador Welington Fajardo explorou muito bem. Equipe cadenciada, equipe veloz, mais conservadora, mais incisiva na marcação o Manaus fez tudo isso, foi campeão do turno contra a sensação Amazonas e eliminou o Coritiba em uma noite gigante na Arena da Amazônia.

Essa partida foi a ultima atuação do meia Diogo Dolem pelo Manaus, naquela peleja o meia teve estiramento na coxa e acabou substituído por Gabriel Davis. Fato é, que até ali o meia Diogo Dolem gozava de muito prestigio com a comissão técnica, e que mesmo com um caminhão de reforços se manteve no time titular como um dos pilares da equipe. Em 2020, em meio a lesões que acompanham desde o ano passado- Dolem fez cinco partidas e anotou dois gols. A pandemia do novo Coronavirus veio, o mundo parou, e quando se pensou em retornar, Dolem foi liberado e não atua mais pelo Gavião.

E como fica o Manaus?

O Manaus conta hoje no seu plantel com uma boa variedade de atletas que podem atuar por ali. Antes da paralisação do Futebol e com a lesão de Diogo Dolem, Fajardo utilizou um meio-campo formado por dois volantes, Panda e Derlan, com Gabriel Davis jogando aberto pela direita, Janeudo mais centralizado, com Rossini na esquerda. Essa formação de meio foi utilizada no jogo da Copa do Brasil contra o Coritiba, logo a após a saída de Dolem por lesão. Mas o que se seguiu na sequência das partidas foi uma consolidação de um meio mais dinâmico, alternando Hamilton e Janeudo, que aturam juntos quando Rossini virou desfalque e Janeudo foi deslocado para o lado esquerdo, com Hamilton no meio e Gabriel Davis na direita.

O Manaus ainda reforçou o ataque, trouxe o velocíssimo Rodrigo Fumaça, que na sua estreia contra o Amazonas FC na final do turno do Campeonato Amazonense, deu o seu cartão de visita, muita velocidade e força física além de uma voluntariosa contribuição defensiva. A partida foi 4 x 1 e teve um meio campo ofensivo formado por Gabriel Davis na esquerda, Janeudo mais centralizado e Fumaça na direita. Durante a partida, Fumaça foi substituído por Gilson Alves, causando uma variação no meio campo que deixava o time mais conservador sem perder a agressividade.

De volta ao Lar

12° jogador em 2019, Vitinho está de volta ao Manaus, depois uma passagem pelo Nacional de Muriaé, o atacante está de volta ao Gavião e é mais uma opção ofensiva para o treinador Fajardo, velho conhecido da torcida e uma espécie de talismã da comissão técnica, Vitinho soma ao setor ofensivo mais uma opção de jogo, que dependendo das características do adversário pode suprir sem nenhuma problema a saída de Diogo Dolem pelo lado direito. Jogador de formidável explosão física, era o rei dos segundos tempos do Manaus em 2019.

Mais opções para Fajardo

Durante o Barezão 2020 Fajardo pediu jogadores de velocidade, a diretoria agiu e trouxe Matheusinho, o ponta pode jogar pelos dois lados e chega credenciado pelo gol que classificou o São José-RS pela primeira vez para a segunda fase da Copa do Brasil.

Foto: Reprodução/Instagram

João Felipe

24 anos, graduado em Jornalismo pelo Centro Universitário Metropolitano, apaixonado por esportes em geral, aqui você verá que futebol e política se misturam, mas sempre com responsabilidade. Torcedor do Sport Club do Recife. Assim, você me lê no Camisa 12.

Deixe uma resposta