Com atletas aguardando o resultado de testes do COVID, Comissão Técnica do sub-19 do Princesa fala sobre dificuldades em plena pandemia

Com atletas aguardando o resultado de testes do COVID, Comissão Técnica do sub-19 do Princesa fala sobre dificuldades em plena pandemia

O Amazonas foi um dos estados mais afetados pelo novo coronavírus (COVID-19), foram mais de 85 mil casos desde o 1º no último dia 16 de março, mas aos poucos as coisas parecem voltar ao normal, na capital por exemplo, os comércios não essenciais estão em atividade desde o início do mês de junho, e os números seguem em queda. Enquanto os clubes da capital já começam a se movimentar, o interior ainda sofre com espólios causados pelo vírus.

O município de Manacapuru (distante 93 km de Manaus), é proporcionalmente o município do estado com maior taxa de letalidade do vírus, foram 3.265 casos confirmados e 129 óbitos, sem levar em consideração as subnotificações.

Passado o “pico”, aos poucos a cidade localizada na região metropolitana de Manaus vai retomando de forma cadenciada todas as suas atividades, entre elas, o futebol. O Campeonato Amazonense Sub-19 retorna -de onde parou- no dia 5 de setembro, e para não ficar atrás dos clubes da capital, que já iniciaram seus treinamentos, o Princesa retornou com suas atividades.

Em conversa com a equipe do Camisa 12, o treinador do time de base, Mayson Matos falou de como tem sido a nova dinâmica de treinamentos e de como os jogadores tem se adaptado ao “novo normal”.

O Princesa tem garantido que todos os protocolos de segurança estabelecidos por órgãos de saúde sejam garantidos. Mayson explicou como tem feito para que os jogadores, nesse primeiro momento, não se aglomerem e estejam protegidos.

“Nosso retorno aos treinamentos é de forma gradativa, estamos trabalhando com alguns atletas apenas, em dois horários. No primeiro horário trabalho um grupo, no segundo horário outro grupo e todos que estão envolvidos nesse primeiro momento de retorno, todos usam máscaras e álcool em gel, mantendo distanciamento como recomenda o ministério da saúde”

O treinador destacou as dificuldades encontradas com essa paralisação forçada, e enfatizou que o Princesa não é o único clube a encontrar dificuldades. Ele explica, que a testagem para atletas acaba demandando muitos do recursos financeiros dos clubes, por conta do elevado preço dos testes, e que isso atrapalha muito o retorno das equipes. Inclusive, nem todos os jogadores estão treinando, alguns atletas ainda não podem retornar aos treinamentos sem a confirmação do teste.

Fora as dificuldades para garantir o retorno seguro do grupo, o líder da comissão técnica também mencionou que um dos seus maiores obstáculos foi o acompanhamento dos atletas durante o isolamento social.

“Muitos clubes, principalmente aqui no estado do Amazonas não têm recursos para fazer um treinamento online, falando mais pela parte dos atletas, principalmente por ser da base, nós não tínhamos como fazer um treinamento online sabendo que existem jogadores que tem uma certa carência, jogadores mais humildes…” disse Mayson, que logo em seguida acrescentou que a maior dificuldade encontrada na volta aos treinos, foi na parte física. “Todos estavam parados a mais de 90 dias, então é muita coisa”, finalizou.

Ansioso pela reestreia

Enquanto o treinador procura a melhor forma da equipe, os jogadores aos poucos também se habituam a esse novo contexto. O volante da equipe Matulinho, de 19 anos, também falou um pouco desse retorno.

Para ele, a maior dificuldade também foi no período de isolamento:

“Não podíamos treinar em grupo, e nem ir a academia, porém com com o que aprendemos no treino, conseguirmos praticar em casa, além disso tivemos acompanhamento do nosso treinador via do celular”, disse o jogador, que se mostrou ansioso pela volta aos gramados e afirmou que a volta aos treinos está bem intensa e que o grupo trabalha bastante para estar no nível de antes da quarentena.

O Princesa tem hoje a sua disposição 20 jogadores prontos para treinamento, 18 atletas e dois goleiros, o clube não informou quantos aguardam os testes.

O Campeonato Amazonense sub-19 foi paralisado no dia 13 de março, na segunda rodada da competição. Na fase inicial, pontos corridos todo mundo se enfrenta, os oito melhores jogam um mata-mata partindo das quartas de finais. Disputam a competição as seguintes equipes: Manaus FC, Iranduba, Fast Clube, Tarumã, São Raimundo. Princesa, Real Manaus e Tabosão.

O Princesa está na sétima colocação, com apenas uma partida, quando foi derrotado pelo Real Manaus em Manacapuru por 3-1. Na volta da competição, o Tubarão do Norte terá o Fast, pela terceira rodada do Campeonato Amazonense sub-19. A competição dar vaga ao campeão à Copa São Paulo de Futebol Jr de 2021.

João Felipe

24 anos, graduado em Jornalismo pelo Centro Universitário Metropolitano, apaixonado por esportes em geral, aqui você verá que futebol e política se misturam, mas sempre com responsabilidade. Torcedor do Sport Club do Recife. Assim, você me lê no Camisa 12.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *